Entrevista: Helder Filipov

Em 1º de junho de 2017 foi lançado o Moto Z2 Play, aparelho celular da Motorola totalmente desenhado no Brasil e pensado para todo o mundo.
O novo aparelho possui 5.99 mm de espessura, tem tela brilhante de 5,5 polegadas, é rápido e leve. Sua estrutura em metal traz um conceito Premium ao smartphone, o que confere beleza e resistência ao produto.

Helder Filipov, designer da marca, liderou todo o processo de desenvolvimento do design desse novo aparelho e conta para o Centro Brasil Design os desafios e expectativas desse projeto.

A Motorola já pensava em fazer uma versão atualizada do Moto Z Play? Quando iniciou esse projeto?

O projeto do Moto Z² Play nasceu logo após o lançamento da primeira geração do aparelho, o Moto Z Play. Sabíamos que o telefone que tínhamos acabado de lançar era revolucionário, assim como toda a família Moto Z, que permite o acoplamento de Snaps modulares na parte traseira do aparelho, mudando completamente o telefone de acordo com a necessidade do usuário. Ainda assim, havia muita coisa que poderia ser otimizada para entregar uma experiência melhor para o usuário final. Queríamos fazê-lo mais fino, deixá-lo mais robusto, mais leve e melhor construído de dentro para fora. No final das contas, queríamos um aparelho mais fácil de ser fabricado, para que o preço final fosse ainda mais atrativo aos nossos consumidores.

E como foi esse processo, quanto tempo durou?

Em setembro de 2015, iniciamos o desenvolvimento do que chamamos de “linguagem de design 2017”, e definimos qual seria a identidade dos produtos e das experiências de todos os telefones Motorola no ano de 2017. Eu trabalhei desde o início dessa atividade e liderei o desenvolvimento da linguagem de design que acabou sendo escolhida como a que direcionou o nosso portfolio de produtos desse ano. Foi uma grande conquista pois, assim, todo o trabalho de design do Moto Z² Play (bem como do Moto G5 e dos outros aparelhos que estão por vir ainda esse ano) teve como referência esse design feito por nós, do nosso estúdio aqui do Brasil. Após definirmos qual a linguagem de referência para nosso design em 2017, fui o escolhido para liderar um dos telefones com maior volume em todo nosso portfolio, e assim o time do Brasil assina o design do novo aparelho.
O projeto teve duração de 12 meses, de março/2016 à março/2017, sendo que boa parte disso é destinado apenas à parte de descobrir como traduzir o que tínhamos em renders e nos programas 3D para a realidade produtiva. Isso incluiu algumas viagens para China, inúmeras horas em reuniões com fornecedores e parceiros chineses e muito suporte do nosso time local.

Quantas pessoas da equipe de design estiveram envolvidas? Quais foram os desafios?

O processo é muito dinâmico, em função da própria velocidade da indústria. E esse, consequentemente, acaba sendo um dos grandes desafios: entregar um produto que tenha relevância para os consumidores, endereçando questões e necessidades latentes, dentro do timing correto do mercado. Para solucionar os problemas, contamos com três estúdios de design dando o suporte durante o desenvolvimento do projeto (são designers alocados no Brasil, meu caso, em Chicago e na China). Em cada etapa, eu trabalhava em parceria com designers de um dos outros estúdios dependendo da demanda do projeto e da expertise necessária para complementar o desenvolvimento. Esse processo é possível apenas por sermos uma empresa global, então, por exemplo, questões referentes à qualidade de execução e processos produtivos são muito mais facilmente contornadas se trabalharmos em conjunto com designers do nosso time na China (uma vez que toda a cadeia de fornecedores está alocada lá e não existe a barreira linguística/cultural entre eles).

Para você, qual é a importância do design desse aparelho ter sido desenvolvido aqui?

O Brasil, bem como a América Latina toda, é um mercado especial para a Motorola. É aqui que vendemos boa parte do nosso volume global, onde temos uma ótima presença em market share chegando a sermos primeiro lugar em alguns países (à frente de Apple e Samsung). Então, nada mais natural do que desenhar o produto aqui na região, com um designer que conhece a cultura brasileira e os regionalismos intrínsecos do nosso mercado. Assim, temos muito do produto sendo feito “dentro de casa”: a concepção, o design, as experiências digitais e a montagem final do produto (uma vez que temos uma fábrica em Jaguariúna responsável pela montagem dos telefones vendidos para toda a América Latina). Tudo é feito aqui, por brasileiros!

Do Brasil para o Mundo, não é mesmo?

Esse projeto tem uma importância muito grande para mim: é um case de sucesso de como é possível projetar, daqui do Brasil, um produto para ser vendido em todo o mundo. O desenvolvimento não é fácil, as variáveis são imensas, essa indústria é extremamente competitiva, mas ver um produto saindo da fábrica com o design totalmente ditado por nós, brasileiros, é um orgulho imenso. Esperamos vender milhões de unidades globalmente, e me sinto muito honrado em ser o responsável pelo design desse telefone. A linha Z é a maior inovação dentro da indústria nos últimos anos, e é incrível escrever essa história junto com a empresa.

Conheça mais sobre o trabalho de Helder em https://www.behance.net/helderfilipov

Mais de Jaqueline Tiepolo

Taiwan International Student Design Competition 2019 está com inscrições abertas

Organizado pelo Ministério da Educação de Taiwan, promovido pela Asia University e...
Leia Mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *